Depois da prata de Francisco Belo, sábado, no lançamento do peso, e do bronze de Ruben Antunes, no martelo para sub-23, já na jornada de hoje, Portugal fecha a competição no quinto lugar do quadro de medalhas (uma de ouro, duas de prata, uma de bronze).

Globalmente, é mesmo o melhor resultado de sempre para Portugal, que nunca tinha obtido quatro medalhas e que desde 2003, quando Teresa Machado venceu no disco, perseguia uma nova medalha de ouro em femininos.

A recordista nacional Liliana Cá entrou em pista como favorita, já que é a líder europeia do ano (e terceira mundial), e confirmou esse estatuto, com um melhor registo a 62,80 metros, um centímetro apenas mais do que Irina conseguiu fazer.

Liliana Cá já tem marca de qualificação para os Jogos Olímpicos, enquanto Irina Rodrigues está claramente na zona das que se apuram por 'ranking', posição que cimenta com os pontos obtidos na jornada de hoje.

Com este resultado, Irina Rodrigues consegue uma melhor marca pessoal de 2021 e passa a ser a 16.ª da época, sendo já quase 'certo' o seu apuramento para Tóquio2020.

Rúben Antunes atirou o martelo a 71,05 metros, um novo recorde pessoal para o jovem atleta do Sporting, que se estreava a este nível. Chegou para fechar o pódio, bem perto da prata do polaco Dawid Pilat (71,29), líder mundial de sub-20.

Na final B do lançamento do peso para sub-23 esteve Débora Quaresma, para ser terceira, com 14,32 metros.

Francisco Belo regressou hoje à pista depois da medalha de sábado, para hoje ser sexto na série B do disco, com 55,84, metros.

FB // AJO

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.