Na sua conferência de imprensa diária, o porta-voz da organização, Stéphane Dujarric, aludiu aos acontecimentos da fronteira do enclave espanhol no norte de África, após ser questionado pelas habituais reações de "tristeza" ou choque do secretário-geral, António Guterres, a vários acontecimentos.

"Já que me perguntam, quero expressar, usando um termo já usámos, o quão chocados ficámos com as imagens de violência que vimos na fronteira entre Marrocos e Espanha, no norte de África, neste fim de semana", comentou Dujarric.

O porta-voz frisou também que observaram "o uso excessivo da força pelas autoridades", que "deve ser investigado", porque "é inaceitável".

"Os Estados têm obrigações perante a lei internacional, a convenção internacional dos direitos humanos e os direitos dos refugiados. Todas devem ser respeitadas", acrescentou.

A organização já tinha pedido hoje a abertura de um inquérito independente à tentativa forçada de passagem de cerca de dois mil migrantes na fronteira entre Marrocos e a cidade autónoma espanhola de Melilla.

Durante a tentativa, na passada sexta-feira, de entrada em Melilla por cerca de duas mil pessoas, pelo menos 23 migrantes morreram e 140 polícias ficaram feridos, de acordo com as autoridades marroquinas.

Trata-se do balanço mais grave de todas as tentativas de passagem de migrantes para as regiões autónomas espanholas de Ceuta e Melilla, no norte de África.

 

SYL (PSP) // RBF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.