O Grupo Renault anunciou que vai transformar a sua fábrica de Flins na RE-FACTORY, a primeira unidade europeia orientada para a economia circular da mobilidade, apontando ao balanço negativo de CO2 em 2030. Para além da criação de valor, o grupo prevê empregar mais de 3000 pessoas nesse mesmo ano.

“Com a RE-FACTORY, Flins vai tornar-se uma referência Europeia na economia circular. A RE-FACTORY vai permitir ao Grupo responder aos desafios que se colocam já hoje, e mais ainda no futuro, aos atores da mobilidade e do automóvel. Está fábrica, com um objetivo de um balanço de CO2 negativo em 2030, inscreve-se plenamente na estratégia global do Grupo que ali a economia circular, a redução das emissões, o desenvolvimento de competência e a criação de novas atividades que geram valor”, refere Luca di Meo, CEO da Renault

Será implementada entre 2021 e 2024 e vai integrar uma série de parceiros dos mais variados setores, articulando-se em torno de quatro polos de atividade que permitirão acompanhar toda a vida dos automóveis. Estes polos terão como objetivo interagir com o meio onde estão integrados, desde filiais, clientes e parceiros, funcionando igualmente de forma interligada e complementar.

Os 4 polos

RE-TROFIT: este polo agrupará o conjunto de atividades que permitirão prolongar a vida útil dos veículos em coordenação com o polo Re-Cycle. Este polo vai integrar uma Factory VO para o recondicionamento dos automóveis usados e uma atividade de «retrofit» para a conversão de veículos térmicos para outras fontes de energia com menores emissões de carbono, bem como um serviço de fabricação de peças raras recorrendo a impressoras 3D. Este polo terá um centro de testes e protótipos para testar a durabilidade dos automóveis e dos componentes de forma a, por exemplo, enriquecer a conceção de futuros veículos.  

RE-ENERGY: este polo destina-se a fazer passar para uma escala industrial o potencial de aplicações das baterias elétricas e das novas energias (otimização da 1ª vida das baterias, desenvolvimento de aplicações para a segunda vida tais como o armazenamento estacionário de energia, gestão do fim de vida das baterias, elaboração de soluções técnicas e de aprovisionamento para novas energias como o hidrogénio).

RE-CYCLE: este polo agrupará todas as atividades do Grupo para uma gestão eficiente dos recursos e dos fluxos para melhorar o aprovisionamento de peças e materiais e integrar na produção cada vez mais materiais reciclados ou reutilizados (instalação de uma linha de desmantelamento de veículos, extensão de atividades de re-industrialização, reutilização e de reciclagem de materiais).

RE- START: para valorizar e desenvolver o know-how industrial, mas também para acelerar a pesquisa e a inovação no que diz respeito à economia circular, este polo projeta integrar um incubador bem como um polo universitário e de formação.